Nesta quinta-feira, 6 de junho, a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) realizou um leilão para a compra de arroz importado, uma medida que visa combater a especulação de preços causada pelas recentes enchentes no Rio Grande do Sul.

A Conab adquiriu 263,37 mil toneladas de arroz, o equivalente a 87,79% do volume pretendido de 300 mil toneladas. O valor total despendido foi de R$ 1,3 bilhão. O leilão, que enfrentou oposição de produtores gaúchos e entidades como a CNA, chegou a ser suspenso por uma liminar, mas uma decisão judicial posterior autorizou a operação.

Preços e subsídios governamentais:

O arroz foi adquirido a quase R$ 5,00 por quilo, praticamente sem deságio em relação ao preço inicial. O governo planeja vender o arroz no varejo a R$ 4,00 por quilo, o que exigirá subsídios governamentais. No total, mais de R$ 7 bilhões foram disponibilizados para a compra de arroz e equalização de preços.

Reações dos produtores:

Produtores, representados pelo vice-presidente da Fedearroz, Roberto Fagundes Ghigino, argumentam que as medidas do governo são desnecessárias. Ghigino destaca que a colheita no Rio Grande do Sul já estava quase toda realizada quando as enchentes ocorreram.

 Embora algumas áreas tenham sido afetadas, as perdas de estoque não são significativas até o momento.

Conclusão:

O leilão de arroz importado pela Conab levanta questões importantes sobre a política de preços e o papel do governo na regulação do mercado agrícola. Enquanto busca conter a especulação de preços causada por eventos climáticos, o governo enfrenta críticas e preocupações dos produtores. O desdobramento dessa ação será crucial para o equilíbrio do mercado de arroz no Brasil nos próximos meses.

Confira outras notícias referente ao Agronegócio e outros assuntos relacionados ao mundo dos negócios, assistindo o programa o Morning Call: