Projeção financeira: como torná-la mais eficiente em seu negócio?

Uma projeção financeira é uma ferramenta útil a todo gestor, pois serve para prever receitas, gastos e outras variações econômicas na empresa. Graças a ela, é possível antever oportunidades de negócios e riscos que podem afetar a operação da companhia.

Uma boa projeção financeira é capaz de ajudar você a melhorar a gestão estratégica, além de facilitar o planejamento tributário, fiscal e comercial da sua empresa em curto, médio e longo prazo. Esse instrumento, quando construído de forma adequada, facilita a tomada de decisões e permite identificar oportunidades e riscos para o negócio.

Quer saber qual a importância dessa ferramenta, além dos passos necessários para montar uma boa projeção financeira? Continue lendo e veja as dicas que preparamos para auxiliar você nesse objetivo!

 

O que é projeção financeira?

É um instrumento usado para estimar receitas e gastos de curto e médio prazo, embora também possa ser feito em longo prazo. Uma projeção financeira prevê o volume de vendas, de recebimentos, de despesas operacionais e não operacionais, entre outras movimentações de uma companhia.

Para ser feita, é preciso pesquisar históricos e análises, além de considerar fatores internos e externos aos negócios, como capacidade de produção, épocas de sazonalidade e tendências do mercado.

 

Quais os tipos de projeção financeira que existem?

Você pode fazer projeções financeiras para vários itens, como receitas, despesas, evolução da depreciação etc. Contudo, umas das formas mais comuns de tipificar esse instrumento é pelo tempo.

Por exemplo, em uma estimativa financeira de curto prazo, a finalidade, normalmente, é realizar o gerenciamento do capital de giro e dos ativos circulantes disponíveis.

O objetivo se encontra em gerir estoques, controlar contas a pagar e a receber, calcular juros de crédito tomado junto a instituições financeiras, entre outras atividades que impactam a saúde do caixa da empresa dentro de um ano. O foco é no volume financeiro que será movimentado pela empresa.

O planejamento de longo prazo costuma ser sistemático, possibilitando detectar necessidades futuras de capital para o alcance de metas organizacionais, como abertura de filiais, aumento da produção, internacionalização do negócio etc.

As estimativas colaboram na construção de cenários em que a companhia atuará, gerando a oportunidade de os gestores desenvolverem soluções, estratégias ou processos para lidar com eles.

 

De que maneira ela contribui para a empresa?

Uma projeção financeira possibilita enxergar as necessidades que o negócio terá após determinado período. Graças a isso, os gestores podem antecipar riscos — preparando a organização para suportar eventuais quedas na demanda — e potenciais de negócios. Nesse caso, a companhia poderá executar ações no intuito de se beneficiar deles, como lançar novos produtos.

Outros benefícios incluem otimizar a operação da empresa para suportar períodos de crise e antever necessidades de contratação de pessoal. Isso ocorre, por exemplo, quando há previsão de crescimento na demanda, impulsionando o aumento da produção o que, consequentemente, requer mais mão de obra.

 

Como aplicá-la em seu negócio?

Existem passos que você pode executar para conseguir montar uma boa projeção financeira. São eles:

  • estabeleça uma previsão de vendas com base no desempenho comercial de épocas passadas. Além disso, analise itens como média mensal de vendas, custos dos produtos comercializados e frequência média de reajustes em seus preços. Isso serve para estimar o faturamento;
  • registre gastos fixos e variáveis e veja a que ritmo eles crescem anualmente. Confira quais foram as últimas alterações de valor em itens como aluguel, insumos, contas de luz etc. Com previsão geral de custos/despesas, ao subtrair da estimativa do faturamento, obtém-se o provável lucro da empresa;
  • lembre-se de prever também o pagamento de impostos;
  • mantenha registros sempre atualizados. Dessa forma, saberá em quais épocas há mais ou menos recursos em caixa. Isso possibilita planejar investimentos;
  • saiba qual é o seu ponto de equilíbrio para estimar se a empresa conseguirá vender o mínimo necessário para cobrir suas obrigações.

Uma projeção financeira depende de informações atualizadas e de um bom volume de dados de históricos, registros, relatórios etc. Também é preciso fazer pesquisas de mercado e controlar de perto contas a pagar e a receber, além do faturamento (diário, mensal e anual) organizacional. Quanto mais informações, mais precisos serão os dados desse instrumento.

Quer ficar por dentro de mais dicas como essas? Assine nossa newsletter!



Redação Grupo Studio

Equipe de especialistas com a missão de auxiliar as empresas de todos os portes, segmentos e regimes tributários.