Vale a pena abrir uma franquia? 5 fatores que você precisa analisar

O mercado de franchising apresenta números impressionantes. No ano passado, o segmento chegou a faturar R$151,2 bilhões de reais, o que corresponde a um aumento de 8,3% em relação a 2015. A projeção para 2017 é que o rendimento expanda de 7% a 9%.

O número de unidades também é relevante. Em 2016 eram mais de 142 mil franquias, sendo que, para esse ano, a previsão é de que haja um aumento entre 4% e 5%.

Entretanto, mesmo com um cenário favorável, é preciso ter atenção a alguns aspectos. Afinal, o intuito é ter um negócio rentável e seguro. Para não ter erro, verifique a seguir 5 fatores que merecem uma análise mais aprofundada. Assim, você saberá se vale a pena abrir uma franquia! Vamos lá?

1. Valor de investimento inicial

Ao optar por esse modelo de negócio, o empreendedor precisa saber que cada rede tem um valor inicial de investimento, que varia bastante de um franqueador para outro. Nesse preço, normalmente, estão inclusos a taxa de franquia, o capital de giro e o estoque inicial.

Por isso, é preciso considerar qual é o investimento solicitado pela marca, garantindo que você terá o montante necessário para abrir o negócio. Afinal, você não quer fazer uma dívida expressiva com o banco, pagando juros altíssimos.  O ideal, nesse contexto, é procurar pelas franquias certas, que sejam, sobretudo, compatíveis com a sua realidade financeira.

2. Retorno sobre o investimento (ROI)

Quem atua no mundo dos negócios sempre ouve falar sobre o payback, que é exatamente o período necessário para que se tenha o retorno sobre o investimento.

Grande parte das franquias possui um estudo específico, capaz de proporcionar ao franqueado uma estimativa bem realista de payback. Isso é: quanto tempo será gasto para recuperar o valor da sua aplicação.

Essa questão também depende de cada marca. Enquanto umas apresentam um período menor, de 6 meses, por exemplo, outras traçam uma data mais longa, podendo demorar anos. Portanto, esse é um ponto que precisa ser estudado e analisado com mais cuidado, verificando o que é realmente vantajoso para você.

3. Suporte oferecido pelo franqueador

Um dos principais diferencias de uma franquia é a questão do suporte fornecido pelo franqueador. Certas marcas oferecem desde treinamentos para o empreendedor e a equipe até mesmo um trabalho completo de marketing.

Porém, não são todas que disponibilizam esse recurso. Algumas proporcionam apenas o básico. Por isso, é fundamental conhecer bem a franquia, verificando previamente como a marca ajudará os franqueados.

4. Condições do mercado atual

A franquia pode ser realmente diferenciada, apresentando benefícios imensuráveis. Contudo, é preciso que o segmento esteja em alta na sua região. Afinal, as necessidades de um público de determinado local podem ser totalmente diferentes das de outro.

O indicado, nesse caso, é estudar o mercado da possível franquia na cidade que você pretende abrir o negócio. Pesquise, por exemplo, qual a expectativa para os próximos anos, além de analisar a situação dos demais concorrentes.

5. Modelo já definido

Outro ponto que precisa ser pensado é que as franquias já têm um modelo definido. Isso significa que o empreendedor não pode interferir no conceito da marca ou apresentar outras metodologias.

Claro que ele poderá sugerir ideias, mas cabe ao franqueador dar o devido aval para realizar mudanças. Dessa forma, o empreendedor precisa ter em mente que ele seguirá um formato de negócio já preestabelecido, e que será inviável implementar alguns sistemas.

Para saber se vale a pena abrir uma franquia você precisa levar em consideração todos os aspectos citados e, claro, lembrar-se de que surgirão diversos obstáculos durante o caminho. Porém, com foco e determinação é possível contornar cada um deles, conseguindo, assim, o sucesso do negócio.

Gostou do conteúdo e quer receber mais informações e dicas sobre o assunto? Então, assine nossa newsletter!


Redação Grupo Studio

Equipe de especialistas com a missão de auxiliar as empresas de todos os portes, segmentos e regimes tributários.